Taxista que transportava drogas foi morto após traficantes desconfiarem de denúncia

Polícia

Taxista que transportava drogas foi morto após traficantes desconfiarem de denúncia

Para a polícia, ele pode ter sido morto "à toa" já que qualquer pessoa pode ter feito a denúncia

Marcelo Pereira

Redação Folha Vitória
Foto: Divulgação / Polícia Civil
Gleidson Silveira Leão (esquerda) e Reginaldo Júnior Martins Soares foram apontados pela Polícia Civil como co-autores do assassinato do taxista Rodinei Gleison de Oliveira, ocorrido em agosto de 2020

Mais dois homens foram presos pela Polícia Civil como suspeitos por participarem do assassinato do taxista Rodinei Gleison de Oliveira, ocorrido em agosto de 2020, em Serra Dourada I, na Serra. 

Os agentes da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Serra apontaram Gleidson Silveira Leão, 19 anos, e Reginaldo J´unior Martins Soares, 19, como co-autores do homicídio, que vitimou o taxista com dois tiros na nuca. 

Eles estavam com mandados de prisão temporária em aberto por homicídio.

Foto: Reprodução / Instagram
Taxista Rodinei Gleison de Oliveira foi morto com dois tiros na nuca em agosto de 2020

Outros dois suspeitos já haviam sido presos: Alisson Ferreira de Araújo, 24, detido 20 dias após o crime, e Ryan Inácio Silva, 18, em julho deste ano. Todos estão no Centro de Triagem de Viana e foram indiciados por homicídio.

Segundo a polícia, Oliveira fazia corridas há mais de um ano a serviço do tráfico de drogas em Balneário Carapebus. 

Após uma denúncia que levou a uma grande apreensão de entorpecentes numa casa do bairro, os traficantes desconfiaram que o taxista é que havia sido o autor do comunicado com a polícia.

Para a polícia, ele pode ter sido morto "à toa" já que qualquer pessoa pode ter denunciado a casa.