• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Fernando Azevedo e Silva: indústria é fundamental para modernização das Forças Armadas

Política

Fernando Azevedo e Silva: indústria é fundamental para modernização das Forças Armadas

O general ressaltou que o País segue investindo fortemente no setor, citando como exemplo as primeiras aeronaves da Embraer produzidas aqui

Estadão Conteúdo

Redação Folha Vitória
Foto: EBC

A parceria entre indústria e governo federal é fundamental para o desenvolvimento da tecnologia nacional e para o aprimoramento e modernização das Forças Armadas, afirmou o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, durante o Fórum de Investimentos Brasil 2019. 

"O setor enfrenta cada dia novos desafios. Se vocês estão aqui, é porque seus países são importantes parceiros de nossos projetos de defesa", disse o ministro para uma plateia de investidores, representantes de empresas aeroespaciais e navais. O evento, realizado em São Paulo, é organizado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos.

Azevedo e Silva ressaltou que o País segue investindo fortemente no setor, citando como exemplo as primeiras aeronaves da Embraer produzidas aqui. "O Brasil apresenta-se como um país promissor, com base de defesa engenhosa e tecnificada de segmentos leves até setor espacial e segurança cibernética. Estamos dando saltos tecnológicos nessa indústria, como foi com os caças, e seguimos com excelentes perspectivas para o futuro", observou o ministro.

Dentre essa evolução tecnológica da indústria de defesa brasileira, Azevedo e Silva comentou o programa de desenvolvimento dos submarinos da Marinha. "No setor naval, queremos construir 4 submarinos", estimou Azevedo e Silva.

Ele apontou também que o governo está disposto a modernizar processos e reduzir custos logísticos para o setor. "A defesa nacional precisa de uma base industrial viável, diversificada e competitiva, de uma indústria que movimenta US$ 2 trilhões por ano."