Cegueira causada por glaucoma pode ser evitada com diagnóstico precoce. Entenda

Saúde

Cegueira causada por glaucoma pode ser evitada com diagnóstico precoce. Entenda

O glaucoma é a principal causa de cegueira evitável no mundo. Há perto de 1,5 milhão de pessoas com glaucoma no Brasil, isso sem contar as que não foram diagnosticadas

Foto: Divulgação

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) e a Sociedade Brasileira de Glaucoma (SBG) lançaram a campanha nacional “24 Horas pelo Glaucoma”, cujo objetivo é conscientizar a população sobre a importância do diagnóstico e do tratamento precoces do glaucoma. 

Essa é uma doença que provoca a atrofia do nervo óptico, responsável por conectar o olho ao cérebro, interrompendo, assim, a transmissão dos sinais entre esses dois órgãos e levando à cegueira. 

No geral, a doença ocorre devido ao aumento da pressão intraocular. Trata-se de um processo lento, que pode progredir durante anos, até o aparecimento dos primeiros sintomas, informou o presidente do CBO, José Beniz Neto.

Cegueira evitável

O glaucoma é a principal causa de cegueira evitável no mundo, observou Cristiano Caixeta. Segundo Caixeta, há perto de 1,5 milhão de pessoas com glaucoma no Brasil, isso sem contar as pessoas não foram diagnosticadas.

“A partir do momento em que você consegue trabalhar ou diagnosticar precocemente o indivíduo, você evita que esse paciente evolua para cegueira. O ideal é conseguir diagnosticar a doença na atenção primária ou na atenção básica, porque o paciente não perderá a visão e terá um tratamento adequado pela equipe de oftalmologia”. 

No mundo, estima-se que em 2020 havia 80 milhões de pessoas com diagnóstico de glaucoma. Projeção da Associação Internacional de Prevenção da Cegueira (IAPB, do nome em inglês) indica que o total de pacientes com glaucoma em todo o mundo chegará a 111,8 milhões, em 2040, disse o oftalmologista, que é chefe desse serviço na Santa Casa de São Paulo.

A longevidade e o envelhecimento da população são fatores de risco para o glaucoma. A doença acomete, principalmente, pessoas acima de 40 anos de idade. 

“Quando a gente entende que acima dos 40 anos eu tenho 2% da população com glaucoma e quando tenho uma população de 70 anos essa incidência é de 8%, é fácil observar que a idade é um fator de risco importante para essa doença”, observou Cristiano Caixeta.

O médico destacou que quando se tem um parente de primeiro grau com glaucoma, a chance de uma pessoa desenvolver a doença é de sete a dez vezes maior do que uma pessoa que não teve ninguém na família diagnosticado com glaucoma. 

Por isso, Cristiano Caixeta destacou que é importante orientar a população para que não tenha medo e procure seu médico. “Na consulta, a pessoa deve informar ao oftalmologista que seu parente teve glaucoma”. 

O especialista vai medir a pressão ocular, fazer exame de fundo de olho e “cuidar com carinho” porque, na fase inicial, é muito fácil tratar a doença de forma correta. “A gente consegue controlar bem o glaucoma”. Reiterou que indo ao oftalmologista periodicamente, a pessoa diminui bastante o risco.

Tratamento

O tratamento do glaucoma é feito, primordialmente, à base de colírios, mas Cristiano Caixeta admitiu que podem também ser feitos procedimentos a laser para controlar a pressão ocular e, quando necessário, pode-se até pensar em cirurgias.

“Você tem várias formas que vai escalonar de acordo com a gravidade e a necessidade de cada indivíduo”. Comentou que, infelizmente, as pessoas não levam muito a sério a doença, porque “o glaucoma é silencioso. Na maioria das vezes não dói, não coça, não arde, não incomoda. Só que, por essa perversidade da doença, o glaucoma é tão grave. Quando a pessoa percebe alguma coisa, já está em fase adiantada da doença”.

Como o brasileiro não tem o hábito de fazer consultas preventivas no oftalmologista, Caixeta disse que acaba fazendo consultas rápidas em óticas com pessoas que não são médicas.

No glaucoma, a pessoa vai perdendo a visão da periferia para o centro. A pessoa perde a visão de tudo que está à sua volta, até chegar à cegueira total, numa evolução paulatina. 

A prática da medicina por pessoas não médicas agrava muito situações como essa, denunciou o oftalmologista. Para o vice-presidente do CBO, o exame oftalmológico é fundamental e as pessoas não devem abdicar de uma orientação médica.

Maiores informações sobre a campanha do CBO e da SBG podem ser acessadas no site. Várias personalidades deixaram ali recados para o público, com alertas sobre essa doença silenciosa que, sem tratamento, pode evoluir para a perda parcial ou total da visão.

A campanha 

O ponto alto da campanha ocorrerá no dia 22 deste mês, antes da celebração do Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, comemorado a 26 de maio, com a realização de uma maratona nas redes sociais.

Além disso, haverá dez salas de atendimento para a população com horário marcado, onde as pessoas poderão agendar sua teleorientação no período de 9h as 18h. Em salas privadas, as pessoas poderão conversar com médicos oftalmologistas e tirar dúvidas sobre o glaucoma.

O evento conta com o apoio de várias entidades médicas e da sociedade civil, bem como de personalidades, como o ator Tony Ramos, os compositores Carlinhos Brown e Renato Teixeira, o jogador da seleção de vôlei Lucão, entre muitos outros.”Isso ajuda muito a população, quando ouve uma pessoa pública falar”.

Fonte: Agência Brasil