• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Audiência pública debate prevenção contra o suicídio em Guarapari

Saúde

Audiência pública debate prevenção contra o suicídio em Guarapari

89 casos de automutilação já foram notificados no município este ano

Foto: Hamilton Garcia
A audiência aconteceu na Câmara de Guarapari nessa terça-feira (10). 

Na tarde de ontem (10), Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, uma audiência pública foi realizada na Câmara de Guarapari para debater sobre o problema. A solenidade, proposta pelo vereador Denizart Luiz- Zazá (PSDB), contou com a presença de entidades como o Lions Club, a Polícia Militar, o Conselho de segurança interativo, além de vereadores e o poder público municipal, por meio das secretarias de saúde, educação, trabalho, assistência e cidadania.

De acordo com a psicóloga Alba Sampaio, a solicitação da audiência foi feita por uma comissão formada por representantes do poder municipal. A intitulada “Comissão pela Vida”, tem o objetivo de montar estratégias de proteção de crianças e adolescentes que passam por depressão ou chegam à automutilação.

Alba informou que a comissão está em diálogo para formação de um comitê do Centro de Valorização a Vida (CVV) em Guarapari, com o objetivo de montar um posto da entidade na cidade. De acordo com a psicóloga, a medida fortaleceria as ações da comissão. “Quando se traz um posto, você traz também as ações do CVV, como por exemplo, o CVV Comunidade, que monta uma tenda em determinado local, com a presença de voluntários para escutar pessoas de forma atenta”, explicou.

Para a secretária adjunta de Trabalho, Assistência e Cidadania, Jocileia Marques, a união dos poderes públicos para discutir a prevenção ao suicídio é de extrema importância. “A gente tem que trabalhar sempre em parceria, em prol do bem comum. Nós estamos passando por um momento muito difícil na sociedade. É preciso investir em politicas publicas e é por isso que estamos aqui hoje, para formar uma rede e fazer esse trabalho de prevenção”, declarou.

Foto: Hamilton Garcia
Alba Sampaio, Tamile Mardegan subsecretária da Semed, vereador Zazá, Capitão Lourencini e Josélio Demuner, representante do CVV estadual.

Filipe Costa Vieira, subgerente de saúde mental na Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) informou que, em 2018, 134 casos de automutilação na faixa etária infanto juvenil foram notificados em Guarapari. Já neste ano, até a primeira quinzena de agosto, foram 89 notificações. “Esse é um número muito alto, mas a gente sabe que existe a subnotificação, que são aqueles casos que acontecem e as pessoas não ficam sabendo”, lembrou.

O subgerente destacou a lei federal 13.819/2019 que estabelece que, além das instituições de saúde, escolas também notifiquem casos de automutilação. “Ali é onde se tem o primeiro contato com esse público. Eles vão estar observando as crianças e adolescentes e poderão fazer a notificação”, enfatizou.

A psicóloga Alba Sampaio frisou que, em um contexto de altos índices de automutilação e tentativas de suicídio, os pais devem redobrar a atenção. “É preciso ficar atento a qualquer tipo de isolamento, o uso contínuo de blusa de mangas compridas, a participação de jogos, e saber com quem eles estão conversando. Hoje nós precisamos estar muito atentos, porque tudo está vindo de forma muito sorrateira. Quando nós vamos ver nossos filhos e alunos estão em um processo de tristeza tão profunda que a saída que eles estão buscando infelizmente é essa”, esclareceu.

Para o capitão Lourencini, do 10º Batalhão da Polícia Militar, que também marcou presença na audiência, toda a sociedade precisa se conscientizar sobre o assunto. “É necessário que se diminua o tabu que existe em volta do suicídio, porque isso faz com que as pessoas deixem de discutir sobre o problema. É preciso utilizar a conversa, os profissionais, melhorar a formação educacional das crianças, além de tratar com seriedade o bullying na primeira infância e na adolescência, para tentar prevenir que esses futuros adultos tentem o suicídio”, concluiu.

Texto: Sara de Oliveira