Fiocruz entrega novas doses de vacinas da AstraZeneca ao Ministério da Saúde

Saúde

Fiocruz entrega novas doses de vacinas da AstraZeneca ao Ministério da Saúde

Há quase duas semanas não há envios desta vacina ao Ministério da Saúde por atraso no recebimento de matéria-prima

Bianca Santana Vailant

Redação Folha Vitória
Foto: Bernardo Portela/Ascom/Bio-Manguinhos

Depois de quase duas semanas sem envios de novas doses, o Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) vai retomar, nesta terça-feira (14), a entrega de doses da vacina anticovid da AstraZeneca ao Ministério da Saúde.

Em nota, a Fiocruz afirma que 1,7 milhão de doses serão enviadas hoje. Com isto, o total de vacinas da AstraZeneca disponibilizadas pela entidade chega a 93,6 milhões.

"Ainda estão previstas mais entregas da vacina no decorrer da semana. Os quantitativos e datas serão informados à medida em que forem concluídas as análises do controle de qualidade", acrescenta o comunicado.

Bio-Manguinhos afirma ainda que as entregas semanais até o fim de setembro estão garantidas.

A produção foi afetada pelo atraso de matéria-prima do imunizante que é importada de uma fábrica na China. O contratempo levou à falta de vacinas da AstraZeneca em várias cidades brasileiras. 

A instituição esclareceu ainda que realiza a liberação das doses do imunizante para o Ministério da Saúde e que é atribuição deste distribuí-las aos Estados e municípios. 

Falta de imunizantes da Astrazeneca pode dificultar a vacinação no ES, diz subsecretário

A aplicação da chamada D2 foi suspensa em diversas cidades no Brasil devido à falta do imunizante. Em entrevista para TV Vitória/ Record TV, o Subsecretário em Vigilância e Saúde, Luiz Carlos Reblin, ressaltou que a falta pode atingir a imunização no Estado.

"Até semana passada, nós conseguimos manter essa organização nesse formato. A partir desta semana, vamos ter dificuldade se a Astrazeneca não for entregue conforme vinha sido feita pelo Ministério da Saúde", afirmou Reblin.

De acordo com o subsecretário, até o momento a distribuição das vacinas da fabricante Oxford foram divididas exatamente com a mesma quantidade de doses para a segunda dose que foi distribuída para a primeira. No entanto, a partir da próxima semana o estado dependerá das remessas do Ministério da Saúde .

"Não está mais chegando, semana passada não recebemos mais da AstraZeneca e se isso se repetir essa semana vamos ter dificuldade de realizar vacinação com a segunda dose da Astrazeneca",