• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Praias de Guriri ficam vazias após interdição decretada pela prefeitura

Geral

Praias de Guriri ficam vazias após interdição decretada pela prefeitura

Medida foi tomada pela prefeitura como prevenção ao coronavírus

Foto: Divulgação/Prefeitura de São Mateus
Praias ficaram completamente vazias.

As praias de Guriri, litoral de São Mateus, no Norte do Espírito Santo, ficaram completamente vazias nesse domingo (22). O balneário é um dos mais visitados do estado, mas teve as praias interditadas para evitar aglomerações e o avanço do coronavírus.

A determinação é da Prefeitura de São Mateus. Na semana passada, o prefeito Daniel Santana assinou um decreto com uma série de medidas para evitar o avanço do Covid-19. Além das praias, fica proibida a utilização de praças públicas, centros de convivência e academias populares.

Foto: Divulgação/Prefeitura de São Mateus
Estabelecimentos comerciais do balneário ficaram fechados nesse domingo (22).

Além disso, o decreto determina o fechamento do comércio durante 15 dias, com exceção de farmácias, laboratórios, clínicas, hospitais e demais serviços de saúde, supermercados, açougues, atacados, hortifrutis, padarias, alimentação e cuidado com animais, postos de combustíveis, delivery, lojas de conveniência, distribuidoras de produtos e serviços essenciais.

Restaurantes e lanchonetes devem funcionar até as 16h. Aos comércios varejistas de gêneros alimentícios recomenda-se o horário de funcionamento das 9h às 17h. Todos vão ter de controlar o fluxo de pessoas, estabelecendo limites e quantidades, de acordo com o espaço, evitando aglomeração.

Grupos de risco

Pessoas que estejam no grupo de risco, como idosos a partir de 60 anos, diabéticos, hipertensos, grávidas e pessoas com doenças respiratórias e renais crônicas, devem evitar o contato com outras pessoas e, segundo o decreto, precisam ficam em casa.

Segundo a Prefeitura de São Mateus, quem descumprir qualquer medida do decreto municipal, vai ser responsabilizado no âmbito civil, administrativo e penal.