Especialistas preveem cenário caótico na saúde durante os próximos 15 dias

Geral

Especialistas preveem cenário caótico na saúde durante os próximos 15 dias

Médicos afirmam que aumento na taxa de transmissão e ritmo de vacinação são uma das causas para a atual situação do Brasil

Foto: Diego Simao

Nas últimas semanas, o Brasil tem registrado uma série de recordes no que diz respeito à pandemia onde o número de casos diários tem atingido a marca de 90 mil infectados. Em entrevista ao R7, especialistas afirmam que a falta de uma vacinação em massa e a ausência de um planejamento por parte do Ministério da Saúde, são fatores que contribuem para o atual cenário do país, que pode piorar nos próximos 15 dias, segundo médicos.

De acordo com o presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), César Eduardo Fernandes, a situação da saúde no Brasil pode ser comparada a um filme de terror.

"Parece que estamos vivendo um filme de terror. Sempre imaginamos que não vai acontecer nada pior, mas acontece. O alto número de novos casos, como vem acontecendo na última semana, se pressupõe muitos óbitos nas próximas duas semanas", afirmou.

A deficiência na oferta de medicamentos para a intubação de pacientes é vista como o resultado de um planejamento mal elaborado. "Seria inimaginável em tempos atrás pensar que viveríamos uma situação igual a essa, de faltar fármacos nas UTIs", apontou o presidente AMB.

Para o infectologista Adauto Castelo Filho, do Hospital Albert Einstein, o país pode chegar a 4 mil mortes diárias nos próximos 15 dias. "Tivemos uma coordenação central completamente desarticulada e um negacionismo complicado e com consequências terríveis para a população. Um número grotesco de pessoas vai morrer", lamentou o especialista.

Ainda de acordo com o infectologista, o cenário é cruel. "É uma crueldade enorme não ter medicamento. Como o especialista de logística deixa faltar insumos básicos para atendimento da população? A cadeia de insumos colapsou completamente", exaltou Castelo Filho.

Falta de vacinas

Até o momento, quase 12 milhões de brasileiros já foram imunizados contra o novo coronavírus. Apesar do avanço, o número é considerado baixo para controlar a transmissão do SARS-CoV-2 e das demais variantes.

 "A imagem que melhor descreve a situação que vivemos é aquela que você precisa chegar a algum lugar e passa o cavalo selado na sua frente e você despreza. Foi o que aconteceu julho, agosto do ano passado, quando tínhamos oportunidade de com um mínimo de coordenação e competência, de adquirir uma quantidade de vacinas, que fariam diferença no contágio que estamos hoje", explicou o infectologista Adauto Castelo Filho.

O presidente da AMB lembra que o atual ritmo de vacinação pode ser um facilitador para o surgimento de novas variantes

"A vacinação está muito lenta, o que pode facilitar o surgimento de novas variantes do SARS-CoV-2 e precisamos pensar em soluções. É isso que a população quer. Temos de deixar as questões políticas de lado e fazer, agir. Mesmo que deveria ter sido feito antes, faz agora que será melhor de que lamentar o passado", afirmou.

Pelo fato da vacinação ainda não ser a realidade de muitos brasileiros, César Fernandes defende a prevenção por parte da população como principal ferramenta contra a contaminação do vírus.

"A palavra de ordem para o Brasil é diminuir a transmissão. Só existem duas formas para isso, com vacinação em massa e as restrições sociais. Ninguém está satisfeito com o fechamento das cidades. Mas, sabe a recomendação de nossas avós, dos males o menor? Se não fizermos isso, as mortes continuarão a acontecer", conclui.

* Com informações do Portal R7