Vacinação contra covid-19: ES vai reduzir para 90 dias intervalo da dose de reforço em idosos

Geral

Vacinação contra covid-19: ES vai reduzir para 90 dias intervalo da dose de reforço em idosos

Em coletiva nesta quarta-feira (17), o secretário de Saúde explicou que o prazo de 5 e 6 meses para doses de reforço em idosos não é adequado

Foto: Claudio Postay/Prefeitura de Cariacica

O intervalo da dose de reforço da vacina contra a covid-19 em idosos será reduzido para 90 dias no Espírito Santo. A informação foi confirmada pelo secretário de Saúde, Nésio Fernandes, durante coletiva na manhã desta quarta-feira (17). 

"Uma dose de reforço representa, para essa população, uma possibilidade de melhorar o desempenho desses imunizantes para o resultado do controle da internação de pacientes graves e óbitos. Desta maneira, o Espírito Santo já procedeu com a redução do prazo, inclusive antes do Ministério da Saúde. Agora, neste momento, estamos reduzindo o prazo da dose de reforço para 90 dias", explicou.

>> Leia também: Terceira dose da vacina: saiba quem vai tomar reforço contra covid

Nésio explicou que o prazo de 5 e 6 meses para aplicação da dose de reforço em idosos não é adequado para responder ao estímulo necessário no sistema imune, já que pode acontecer um escape vacinal. 

"Foi acertada a decisão do Ministério da Saúde de iniciar a vacinação do reforço nos idosos, mas o esquema de doses de reforço com 6 meses e depois com 5 meses, se demonstra inadequado para responder ao estímulo necessário no sistema imune dos idosos, naqueles que apresentam um comportamento no percentual do escape da eficácia da vacina."

Por que o Estado decidiu antecipar a dose de reforço? 

Ao justificar a antecipação, o secretário de Saúde destacou que a maioria dos óbitos registrados no Espírito Santo entre a população vacinada com as duas doses, ocorreu em pessoas com mais de 60 anos. 

"Ao cruzar os dados das internações, óbitos, casos e também da vacinação no Estado, nós identificamos que a redução do óbito na população não idosa, entre os que receberam as duas doses, é muito radical. Somente 4% dos óbitos em população que recebeu duas doses foi em população com menos de 60 anos. Por outro lado, 96% dos óbitos ocorreram em pessoas idosas",  destacou. 

Em média, os óbitos entre a população idosa vacinada com as duas doses acontecem 90 dias após a aplicação da segunda dose do imunizante. Por isso, a antecipação da dose de reforço é importante. 

"Nós precisamos reconhecer que as vacinas têm um comportamento de vida real extremamente eficaz para a população idosa. No entanto, no pequeno percentual de idosos que foram vacinados com duas doses, 96% deles evoluíram para óbito. Desta maneira, antecipando o reforço, poderemos ter um resultado de vida real onde esse comportamento pode ser reduzido ainda mais", explicou. 

Redução de internações, casos e óbitos

Acompanhado do subsecretario de Saúde, Luiz Carlos Reblin, Nésio Fernandes  afirmou ainda que Espírito Santo voltou a apresentar uma queda sustentável e contínua das internações, casos e óbitos pela covid-19.

"Tivemos uma redução no número de casos novos de covid-19, chegando a um comportamento, na média móvel de 14 dias, de 360 casos, equivalente ao quantitativo de casos existentes na primeira quinzena de maio de 2020.  Também tivemos, entre 25 de outubro e até a presente data, uma queda de 40% nos óbitos pela covid-19, considerando os dados de média móvel de 14 dias, e uma queda de 25% das internações hospitalares em UTIs", explicou. 

Os números, segundo ele, são resultados do avanço da vacinação no Estado. O secretário reforçou ainda que a terceira dose em idosos precisa ser estabelecida como prioridade. 

"Isso é resultado do avanço da vacinação e que precisa, neste momento, ter as estratégias de imunização ajustadas. Precisamos reconhecer que a vacinação dos idosos com a terceira dose deve ser estabelecida como prioridade. Entre as diversas vacinas, a eficácia das mesmas no esquema de duas doses nos idosos é menor do que entre a população adulta e jovem", afirma Nésio.

Terceira dose para população com mais de 18 anos

O secretário também destacou a importância da terceira dose na população adulta, anunciada pelo Ministério da Saúde na terça-feira (16)

A imunização de reforço da vacina contra a covid-19 será ampliada para toda a população do País acima de 18 anos que tenha tomado a segunda dose há mais de cinco meses.

"O reforço da população adulta  poderá ser importante para garantir que tenhamos um risco menor do Brasil de novas oscilações positivas do comportamento da doença no período de verão no próximo ano. O Espírito Santo apoia a decisão do Ministério da Saúde de anunciar a vacinação da população com mais de 18 anos, entendendo que poderá contribuir para redução do risco de novas oscilações da situação do vírus, principalmente agora, no período de dezembro, janeiro e fevereiro", afirmou. 

Segundo o subsecretario de Saúde, Luiz Carlos Reblin, mais 95% da população adulta já está vacinada com a primeira dose no Espírito Santo. Por outro lado, o número de pessoas que não voltaram para tomar a segunda dose é grande. 

"Se eu tenho essa população em cada cidade, preciso olhar para quem tomou a primeira e verificar quantos faltam para tomar a segunda. Temos um número importante de pessoas que não tomaram a segunda dose, então precisamos fazer estratégias. Temos que ir às casas, fazer eventos... Vamos precisar ir atrás dessas pessoas, porque cada dose aplicada é muito importante", disse Reblin. 


Leia também: 

>> Covid-19: Ministério da Saúde anuncia dose de reforço a todos com mais de 18 anos

>> Decisão de estender dose de reforço da vacina não passou pela Anvisa

>> Cidade do ES está há quase 8 meses sem mortes por covid-19