• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Coligação de Pazolini é condenada por propaganda eleitoral irregular

Política

Coligação de Pazolini é condenada por propaganda eleitoral irregular

A coligação deverá pagar uma multa de R$ 110 mil por 22 inserções indevidas nos intervalos comerciais das emissoras abertas de televisão, entre 21 e 22 de outubro

Foto: Arquivo/Divulgação

A Justiça Eleitoral determinou que os candidatos da coligação "Vitória Unida é Vitória de Todos" retirem inserções de propaganda eleitoral irregular na qual dá destaque isoladamente ao número do candidato à prefeitura Lorenzo Pazolini (Republicanos).

Veja tudo no Guia Eleições 2020

A decisão é da juíza eleitoral Gisele Souza de Oliveira, no último sábado (24). Na sentença, há a determinação do pagamento de multa de R$ 110 mil por 22 inserções indevidas, além de multa de R$ 10 mil por dia de descumprimento da decisão.

A ação judicial foi impetrada pelo advogado da coligação Avança Vitória, que tem como candidato à prefeitura, o deputado estadual Fabrício Gandini (Cidadania). A denúncia alcança também os partidos Democratas, Solidariedade e MDB.

As inserções aconteceram durante a programação das emissoras abertas e deu destaque ao número do candidato Pazolini sem ter o número do candidato a vereador. A Lei Eleitoral impede que sejam utilizados tempo de TV destinados a candidatos à vereador para uso dos candidatos à prefeito, e vice-versa.

Veja a decisão na íntegra

48.58 KB
Baixar Arquivo

O que pode?

Candidatos a vereador podem utilizar imagens e até o número do candidato a prefeito que faz parte da coligação durante o tempo de TV. Não é permitido, porém, que o número do prefeito apareça sem menção ao número do vereador.

Leia também:
Justiça barra ao menos dez candidatos a prefeito no Estado
Divulgação da pesquisa Rede Vitória/Futura da Capital é suspensa 

O outro lado

A equipe de campanha de Pazolini informou que vai cumprir a decisão judicial e que a questão "não traz prejuízo" às campanhas. Leia a nota na íntegra:

"A respeitável decisão proferida pela Justiça Eleitoral será devidamente cumprida. Trata-se de questão envolvendo assunto ainda controvertido em nossos tribunais, sem qualquer prejuízo ao importante debate de ideias e propostas que tem sido feito".