Flurona: ES ainda não registrou casos, mas há relatos na rede privada

Saúde

Flurona: ES ainda não registrou casos, mas há relatos na rede privada

A declaração é do secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, que afirma que já há relatos na rede particular de saúde

Dayse Torres

Redação Folha Vitória
Foto: governo do ES

A rede pública de saúde do Espírito Santo ainda não registrou casos de Flurona,  mas há relatos de que possa haver casos na rede particular. A informação é do secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes. 

Flurona é o fenômeno em que uma pessoa é contaminada por Covid-19 e gripe ao mesmo tempo.

"Ainda não identificamos casos pelo Laboratório Central (Lacen), mas, de fato, é um fenômeno que pode estar entre nós e há um risco. A probabilidade de acontecer não é maior ou menor do que já estamos enfrentando isoladamente pela Influenza e pela Covid-19, mas pode acontecer. Por isso, a população deve se vacinar contra a Influenza e contra a Covid-19, utilizar máscara e adotar todas as medidas de segurança", disse secretário em entrevista concedida à rádio Pan News Vitória, na manhã desta terça-feira (11). 

Realização de carnaval de rua no ES será avaliado

Em relação aos desfiles das escolas de samba, Nésio Fernandes disse que é necessária uma nova avaliação, que será realizada com os municípios, e pode ser que, mesmo com a vacinação, não seja adequado que ele seja realizado. 

De acordo com o secretário, essa análise deve acontecer ao longo das próximas semanas.   

"A realidade epidemiológica deste momento é que há uma taxa de transmissão muito alta do vírus, em todo o território capixaba, no interior e na Grande Vitória, e que é necessário, por parte dos gestores, tomar decisões coerentes com o problema atual. O debate que está sendo realizado nesta semana é de que medidas complementares precisam ser adotadas por todos para podermos enfrentar este momento", disse.

Leia também: Sesa quer que municípios exijam teste negativo de covid para shows e eventos

Segundo o secretário, a principal medida é a vacina. "Muitas pessoas ainda não estão vacinadas. Na próxima semana, vamos começar a vacinar as crianças. Faço um apelo aos pais que vacinem seus filhos, pois a Ômicron, em todo o mundo, está tendo um comportamento diferente na infecção e na hospitalização de crianças", ressaltou.  

O secretário afirmou que a vacina da Pfizer é um produto seguro, eficaz e útil para poder combater a Covid-19 e a variante Ômicron, principalmente em crianças. "Além disso, é preciso ter testagem em massa para todos".    

O secretário lembrou que quem é vacinado tem uma chance menor de ser infectado e transmite por menor tempo.        

Exigência de teste negativo de covid para shows e eventos

Durante a entrevista, o secretário avaliou, ainda, as condições apresentadas para realização de shows e eventos no Estado. Sendo que, somente nesta segunda-feira (10), o número de casos confirmados foi de mais de 7 mil em 24 horas.

Apesar da exigência do comprovante de vacinação e limitação de público, a grande maioria dos presentes não fazem o uso correto da máscara de proteção.

"Não é permitida a aglomeração neste momento. Exigimos a cobrança do passaporte vacinal e existe uma limitação de pessoas nesses espaços. Estamos reforçando com os municípios a necessidade da fiscalização e recomendando que se organizem para exigir os testes negativos para a participação nesses eventos", afirmou o secretário.

O secretário reforçou que a exigência dos testes negativos podem reduzir o impacto da contaminação nos eventos.

"É uma medida capaz de reduzir a exposição de risco para não impactar as atividades sociais e econômicas. Neste momento, as atividades estão liberadas, mas há regras a serem cumpridas", explicou.