Medo de agulha? ES vai oferecer acompanhamento para quem não se vacinou por conta de fobia

Saúde

Medo de agulha? ES vai oferecer acompanhamento para quem não se vacinou por conta de fobia

Quem se autodeclarar portador deste medo pode realizar um cadastro na plataforma Vacina e Confia até o dia 31 de outubro

Iures Wagmaker

Redação Folha Vitória
Foto: Reprodução

Um termo pouco conhecido, mas muito comum quando se fala de vacinação é a aicmofobia, que representa o medo de agulhas. Quem sofre desta fobia pode ser afetado na hora de cuidar da saúde, especialmente neste momento de imunização contra a covid-19.

De olho nesta população, a Secretaria de Estado da Saúde está realizando um cadastro, por meio da plataforma Vacina e Confia, de pessoas que se autodeclararem com medo e, por isso, ainda não foi vacinado contra a doença.

"Será realizado um acompanhamento psicológico. Essas pessoas podem receber a abordagem de um psicólogo no momento anterior à vacinação, podem levar uma pessoa na qual confie plenamente. Em qualquer caso, pode haver também a administração de um medicamento de via oral para amenizar os efeitos da ansiedade", afirmou o secretário de Saúde, Nésio Fernandes.

Leia também: Mais de 90% dos adultos tomaram a 1ª dose contra covid-19 no ES

Segundo o secretário, a plataforma já recebeu mais de 300 cadastros de pessoas que se declararam portadores deste tipo de medo. Os dados podem ser inseridos na plataforma até o dia 31 de outubro.

"Realizaremos diversas estratégias de apoio psicológico para essa população que deseja ser vacinada, mas têm esse medo. O Sistema de Saúde precisa se adequar a esse tipo de demanda. Iremos garantir que todos tenham a garantia de se vacinar contra a doença", afirmou.

Plataforma Vacina e Confia será atualizada a cada 10 minutos

A partir desta quinta-feira, a plataforma Vacina e Confia estará atualizando, a cada 10 minutos, a evolução da vacinação para todas as cidades capixabas e o avanço nas últimas 24 horas, levando em consideração as microrregiões e as metas que precisam ser alcançadas para avançar para o risco muito baixo.

"Todas as informações são oriundas diretamente do banco de dados da plataforma. Queremos dar mais transparência. Em situações de erros de digitação, por exemplo, isso também será mostrado para que o município corrija", afirma o secretário. 

Prazo para aplicação de doses de reforço em idosos será antecipado

A partir desta sexta-feira (22), o prazo para que idosos recebam a dose de reforço contra a covid-19 será reduzido. Quem tem mais de 60 anos poderá receber a aplicação com quatro meses de intervalo da segunda dose. Anteriormente, o prazo era de seis meses.

Segundo o secretário, o prazo é válido, independentemente da vacina aplicada em primeira e segunda doses. "Neste momento temos condições de reduzir o prazo de vacinação da população idosa", disse.

"Temos mais de 68% da população adulta tomando a segunda dose. Com as medidas da intercambialidade da vacina, além da redução do intervalo da segunda dose para a dose de reforço, muito rapidamente vamos alcançar uma cobertura desejável", afirmou o subsecretário em Vigilância de Saúde, Luiz Carlos Reblin.

Ele também destacou a adesão dos adolescentes acima dos 12 anos com a vacinação. Segundo ele, cerca de 70% desta população no Espírito Santo já se vacinou contra a covid-19 com primeira dose.

Anteriormente, havia 360 mil pessoas que não compareceram para se vacinar no momento adequado e esse número caiu para 300 mil. Se mais pessoas comparecerem, vamos elevar o número para mais de 80% de pessoas vacinadas.

Nésio Fernandes também comemorou a aceitação da vacinação pela população capixaba. Segundo ele, a ampla maioria da população optou pela ciência e pela vida.

"As posições antivacinas foram, praticamente, derrotadas no Espírito Santo. Cerca de 95% da população adulta já tomou a primeira ou a dose única contra a covid-19. Estamos prestes a ser reconhecidos como o estado que teve um melhor desempenho na vacinação", disse.

Ele ainda destacou que todas as regiões do Espírito Santo devem ser consideradas na classificação muito baixa ainda em novembro. "É pouco provável que em dezembro tenhamos alguma cidade em risco baixo ou moderado", afirmou.