• Velocidade do vento

  • Previsão de chuva

  • Nascer do sol

  • Por do sol

Umidade relativa do ar: Índice de raios UV:

Não quero ser mãe antes dos 35, e agora? Especialista tira dúvidas e mostra alternativas para essas mulheres

Saúde

Não quero ser mãe antes dos 35, e agora? Especialista tira dúvidas e mostra alternativas para essas mulheres

Se antes a gravidez nessa faixa etária, além de pouco provável, era vista como um possível risco às mães e aos bebês, hoje tornou-se uma alternativa comum e segura, graças à evolução da medicina reprodutiva

Foto: Reprodução/Pexels

Engravidar após os 35 anos tem se tornado uma opção cada vez mais recorrente entre as mulheres que, determinadas a focar na carreira ou priorizar a realização de outros planos, acabam decidindo por postergar a gestação. Se antes a gravidez nessa faixa etária, além de pouco provável, era vista como um possível risco às mães e aos bebês, hoje, tornou-se uma alternativa comum e segura, graças à evolução da medicina reprodutiva. 

De acordo com o diretor e ginecologista da Clínica de Reprodução Humana Origen, dr. Marcos Sampaio, para os casos em que se deseja atrasar o projeto gravidez a melhor alternativa é o congelamento de óvulos: “Sem dúvidas é libertador, para essas mulheres, ter a oportunidade de serem mães quando quiserem. A chance de gravidez com esses óvulos congelados é mantida, mesmo com o passar dos anos”, observa.

De acordo com Sampaio, os óvulos são as células reprodutivas femininas e ficam dentro de pequenas vesículas, chamadas de folículos que, por sua vez, estão dentro dos ovários. O folículo tem a capacidade de se desenvolver e liberar um óvulo (ovulação) durante o ciclo menstrual. O grupo de folículos que está dentro dos ovários constitui a reserva ovariana. Essa reserva é formada durante a vida intrauterina, até a metade da gravidez. Após o nascimento, não existe mais a produção de óvulo, ao contrário do que acontece com o homem, que continua produzindo espermatozoides durante toda a idade reprodutiva.

Estima-se que uma recém-nascida tenha cerca de um milhão de folículos ovarianos. Na primeira menstruação, essa quantidade se reduz a 300 mil. Com os ciclos menstruais essa perda é contínua e ininterrupta, até o completo esgotamento dos folículos. Outro fator dificultador para fertilidade após os 35 anos é que os óvulos também vão perdendo a qualidade com o passar do tempo.

O congelamento de óvulos

No processo de congelamento de óvulos realiza-se a estimulação ovariana que possibilita o crescimento de vários folículos e a obtenção de um número maior de óvulos que são armazenados a uma temperatura de -196ºC graus. Os óvulos podem permanecer criopreservados por tempo indeterminado, até que a mulher necessite ou seja possível. “A taxa de gravidez é comparável aos ciclos de Fertilização in vitro habitual”, completa Sampaio. Sobre a idade ideal para congelamento de óvulos, o médico lembra que mesmo após os 35 anos o processo pode ser realizado, mas a chance de gravidez diminui como o passar do tempo. Por isso, quando mais jovem for a mulher, maior a chance de o procedimento ser bem-sucedido.